sábado, 1 de maio de 2010

para o sol na varanda

acordei com uma vontade danada de nada.
limpar o banheiro, fazer café, lavar roupa, tomar banho,
trocar o lençol, lavar calcinha, torcer a cara, o jeito, o ócio,
os vícios... de repente, a louça pode ficar suja mais um pouco.
olhar no espelho. olhar o que o espelho olha. vontade bendita
de ser gente. ser gente, sem pessoar. às vezes caminho, me troco em
pessoas. me dispo, agrego novos acessórios, mudo ritmo, respiração.
às vezes não. quero só sentir que gente fica. aonde está. cada um, mais gente.
do formigueiro, vê-se a mata encantada?
da pessoa, eu vejo cada passo, a marcha.
de gente, vejo a batida sonando um só.