sexta-feira, 20 de junho de 2008

voamentos

eu como olhos.
eu cheiro os sentidos.
um dia eu passeei lá no hoje.
e ontem,
as formigas me comeram.
atrás das minhas cortinas de flores
e insetos, o amor do pensamento
funciona como sol.
os motores caminham no absurdo
e o lar me aprisiona na liberdade de brincar.