sábado, 8 de março de 2008

números

apaguei as palavras que eu acabei de escrever,
mas ninguém pode saber, nem mesmo eu.
vou tentar esquecer e inventar em mim um outro
pensamento. os pensamentos em dígitos,
bêbados de numeração e tensão.
tensão de acordar e ser matemática.
ser geometria. gostei dessa opção,
amanhã acordarei e serei um teorema,
ou melhor uma teoria-plus-quântica.
assim não precisarei me entender e perguntarei
a alguém.
...
...
esquece as reticências. não demorei muito a repensar
que na verdade, justamente, bem apertadinho.
o que eu queria era não precisar de alguém.
alguém é tão inconcluso, não cabe em teoremas.
talvez em teorias. mas alguém seria uma hipótese.
vamos falar de produtos.
eu quero um pensamento-produto,
e amanhã terei um fresco
(tive que apagar e reescrever, mas foi uma lerdeza de raciocínio):
amanhã serei um pãozinho quente cheio de raciocínios fermentados.
...


esquece. chega de pãozinhos.
amanhã não serei pequena mesmo.
hoje fui um pouco (quinho).
Abrirei os olhos e estarei como
um cientista certo de sua teoria, antes

de tê-la escrito.

nosssa como estou desconfiada,
acho que não acredito tanto assim nas
leis. na ordem. na cronologia ou
mistificação do pensamento.
mas eu juro que gostaria.


eu acho que é mais díficil
ser descientífica.