sexta-feira, 7 de março de 2008

petit-déjeuner

hoje quer fazer sol.
hoje quero ser alguém,
não tão importante,
alguém como algo
de comer, sim.
alguém não necessariamente necessário,
ma usualmente incrementado:
cheia de aparatos,
vou me emparelhando
e acendo e desligando,
apertando todos os botões.
hoje quero ver como as coisas
funcionam.
hoje, o café da manhã queria ser café da manhã
com suco de laranja, morango, banana e conversa.
hoje o café quis ser conversa.
e a vírgula quis ser ênfase.
hoje eu vou dar mel pras vírgulas.
elas se tornarão abelhas e aglutinarão
as palavras à sua pre-existência.
hoje vai ser lindo.
não vou explicar às abelhas, nào quero me justificar.
deixa a pontuação de cada ser,
deixa o hoje querer.