quinta-feira, 29 de maio de 2008

sopro


hoje eu estou com vontade antiga.
quero palavras de anteontem...
quero um vento de palavras que soprou no acordar de sábado.

eu quero o querer.


caminho em gerúndio
pra não perder a experiência das sensações
mas me alcanço tão aérea que descanso
no colo de uma velocidade colorida e faiscante.


dou passos lentos. eu te espero.
mas me acompanhe por favor...
agora estou saltando daqui
para a direção do vento e
um pio de pássaro no contratempo.



eu não me preparo para o tempo
mas ele me prepara para a ação.
hoje não sonhei...

a vontade quer jorrar
em atualizações...


um sopro ainda é muito pouco
pra este coração tão revirado.


mas a maré mudou.
e eu continuo caminhando sobre as águas.

quinta-feira, 15 de maio de 2008

piscara

quisera eu
pudera eu
pondera eu
espera eu:
olhá lá vai passando a multidão...
multi é unidade neste mundo de imagens.
hoje vivi uma tragédia de ontem, imaginei fotos no jornal,
visualizei cenas de um terror de amor.
o absoluto é o amor. é a única forma absoluta.
nem a morte é absoluta.
a morte leva um e deixa milhões.
ões ãos heins. os sons também são imagéticos.
pense num nome. até os nomes têm suas imagens-formas.
quem dá sentido ao tudo, é o nada de tudo. hoje,
não sou que escrevo. eu é um outro.
eu juro. eu
prometo que amanhã volto para mim. e aviso quando chegar.
dê notícias deste mundo. aquela mulher bonita está grávida,
em outro continente. e isso é tão importante.
pra quem? quem considera o que importantê? importanter.
i love you honey. Te quiero. Vou usar outras línguas pra me comunicar.
Hoje, é incomunicável. Vou me dar uma senha pra falar com você.

hoje é invisível. amanhã é indispensável.
ontem é uma possibilidade. sempre é quando.
de vez em quando é eterno.
mas tudo é formal. acho que essa spalavras nào se encaixam na lei,
no projeto. me prendam por favor!



eu solto meus pássaros quando você me ouvir.