quarta-feira, 18 de abril de 2007

desejo de livro

quero ser um livro escrito, não posso ser só pensado. um livro-eu seria como uma paquera sem entrega, uma loucura disfarçada, uma criança querendo ser adulta, um silêncio em revoada. Cruzes. um encontro de encruzilhadas seria eu-livro. Seria o inferno encantado, a entrega sem desejo, muito maior que qualquer descoberta. Seria aberto, meu livro, em todas as páginas ao mesmo tempo. o livro seria tudo isso disfarçado nas entrelinhas de uma história com linhas, famílias, vigílias, vírgulas. tão certo quanto o incerto. tão real quanto o medo.

terça-feira, 17 de abril de 2007

muito menos que o mais!!!!!
quem sabe onde estão os pontos?
eu não ligo mais.
acende todos, enquanto corro pra
me apagar.
me deixa estar, central e sem luz.
só ar. irradia, enquanto morro
um pouco pra movimentar.
está tudo fora do lugar.
eu não ligo.
...._________deixa juntar.

eu quero mais.
eu quero menos.
muito mais que o menos.
talvez um dia quem sabe
talvez não sei você sabe
eu não mas eu quero
que tudo aconteça um
tudo que é nada uma
blha um deus um rito
uma passagem uma transição
uma explosão faz sentido
na natureza no um no dois.
igual e diferente simples
e complexo e aí não existe
mais senão. sim e não.
ponto. conclusão

um dia

um dia duro
apesar de um café da manhã bem mole
um céu confuso
e o passo líquido de quem escorre
na vida }...) para ser etcetera

uma roupa lenta veste
uma alma agitada demais:
músculos caminham
e pensamentos chovem na estrada:
eu sou: dois pontos; e você reticências...

lá: um mergulho
aqui: um naufrágio
em mim-